Meu amigo


Eu descanso
Em um abraço
Fora de mim
Com todo refrigério


Um conforto
Uma paz
Que enche, transborda
Completamente puro


Não há fidelidade
Eu, desonesto e impuro
Me derramo em ingratidão
Para novamente, chorar e pedir teu abraço


Não há mágoa
Você, fiel e justo
Recebe-me novamente
E faz de mim, uma nova oportunidade
e preenche a angustia com santa intimidade.


Meu amigo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, crítica ou sugestão! Volte Sempre!